Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Nata

06.11.12

Acordávamos já com o cheiro a torradas. Aliás, era o cheiro a sair da cozinha que nos acordava. Primeiro um olho, depois o outro. O corpo rebolava um bocadinho mais na cama, por preguiça. Depois, não aguentávamos mais o cheiro a carcaças torradas e sabíamos que era manhã. Hoje já ninguém fala em carcaças. Percorríamos o pequeno espaço entre a sala de estar improvisada em quarto até à cozinha. Em cima do fogão, lá estava ela: a chapa com torradas quentinhas. Na altura, fazer torradas era uma arte. Era preciso ser rápido... virar a torrada de um lado, depois do outro para não queimar. Havia leite gordo ou meio gordo (não me lembro) que fervia, ao lado, numa pequena cafeteira. Eu ficava sempre fascinada. Hipnotizada, quase. Gostava de ficar a olhar o leite a subir lentamente apesar de, até hoje, detestar a nata da fervura. Mas mal distraía o olhar, era sempre o mesmo... perdia o momento. Havia Nesquik para pôr no leite. E havia sempre café que não podíamos beber, mas que a avó minha deixava. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:58


2 comentários

De migalhas a 06.11.2012 às 18:34

já constas dos meus eleitos. se me quiseres ler, estou aqui: nexus.blogs.sapo.pt
até já e boas leituras/escrituras.

De Paula Mello a 10.11.2012 às 16:13

Hipotizada fico eu... ao ler o que tu esceves!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D